Para Pais e Mães…

Essa semana comecei a fazer devocional no livro de Samuel, um texto me chamou atenção, 1Samuel 2:29: “Por que honra seus filhos mais que a mim?” Deus pergunta para Eli, porque seus filhos eram sacerdotes mas faziam aquilo que o Senhor não agradava, Eli não se posicionou CONTRA seus filhos!

Fui professora de culto infantil por muitos anos, ainda sou, já fui estagiária de pedagogia em escolas e hoje o que a gente vê demais nesse meio é a Idolatria dos pais aos filhos.
Na minha infância o professor ainda poderia reclamar de mim, me “punir”, ou me dar notas baixas se assim eu fizesse por merecer, hoje em dia? Vai um professor falar contra o filhinho da mamãe, o professor que está errado!

Não só isso, mas penso nos pais dentro das igrejas que não reconhecem os pecados de seus filhos, que passam a mão na cabeça e não abençoam, nem apoiam a liderança da Igreja quando essa precisaria disciplinar seus filhos… não façam vista grossa para o pecado de seus filhos, porque Deus também hoje pode perguntar para você: “Por que honra seus filhos mais que a mim?”
Ainda vou ser mãe, mas já fui filha e posso louvar a Deus por ter tido pais que me disciplinaram e me corrigiram!
Pais parem de ser servos de seus filhos, parem de querer compensar o tempo que vocês passam longe deles com presentes e “moleza” na hora de liderarem eles, se Deus deu a vocês esse ministério cumpram-no para glorificar ao Senhor, não a si mesmos e muito menos a eles!

Série Manu – ÚLTIMO CAPÍTULO

Boa noite gurias!
Depois de tanta espera o capítulo final do primeiro livro da Série Manu saiu…

Se você tá chegando por aqui agora deixa eu te atualizar, há um tempinho atrás comecei a escrever livros especialmente para adolescentes pela boa influência que a Leitura da “Série Cris” teve em minha vida!

Se você ainda não leu os outros clica aqui -> primeiro, segundo,terceiro,quarto,quintosextosétimooitavononodécimodécimo primeirodécimo segundo, décimo terceirodécimo quarto, décimo quinto. e décimo sexto!

Tomara que curtam muiiiito e deixem seus comentários para eu saber o que acharam! Em breve começaremos o livro 2, aguardem!

Bjoooo minhas lindas!
Brigada por tudo!
Deus abençoe!

Ju.

____________________________________________________________________________________________

Capítulo 17

Aquela viagem certamente estava mudando muitas coisas, nos últimos dias além de Mario ter se declarado para Manu, a equipe havia passado por diversas experiências transculturais, aprenderam a pescar peixes no rio, a se virar com poucas trocas de roupas, a admirarem melhor a natureza, a se apaixonarem por pessoas como João e sua família que haviam deixado tudo para pagar o preço de anunciar o amor de Jesus para aquelas comunidades, ele aprenderam que apesar de ter tão pouco aquelas pessoas eram tão felizes porque na verdade já tinham tudo, Jesus!

Em um dos cultos na fogueira a noite Rafa contou como havia sido sua conversa com o Senhor Fábio, um pescador de uma ilha não tão distante dali:

“- Então o senhor não sairia dessa ilha para morar em uma outra cidade? – perguntou Rafa.

– Só se o Senhor me tirasse daqui – respondeu o idoso de 93 anos que há poucos anos havia conhecido a Jesus.

– Por que o senhor ama esse lugar?

– Aqui que nasci, conheci minha esposa já falecida, criei meus 6 filhos e exatamente aqui que conheci a Cristo, então todas as tardes quando o sol se põe, está vendo esta árvore em frente a minha casa? – disse apontando para que o menino pudesse olhar.

– Sei sim.

– Todos os dias quando o sol bate nela a sua sombra lembra a de uma cruz e a cada entardecer isso me faz lembrar quem eu era, quem sou hoje e o que Jesus é pra mim, então se o Senhor me permitir quero morrer olhando para a cruz.”

Todos na fogueira se emocionaram e começaram a contar histórias que haviam acontecido ali. Joice, uma das meninas da equipe tinha 15 anos de idade e pertencia a uma família de classe alta na cidade, ela havia se convertido a pouco tempo junto com sua mãe, ela também contou sua experiência:

“- Quando eu estava ajudando na construção um das crianças menores, a Clarice, se eu não me engano ela tem 6 anos. Ela trouxe o seu pão que havia ganhado na hora do lanche e me disse que havia guardado para me dar de presente, como forma de agradecer por estar ali reformando a escola dela… – chorando Joice continuou – eu nunca fui de agradecer a Deus por todas as coisas, pelo contrário, sempre fui ingrata por querer mais e ser tão consumista, e então vem a Clarice e me dá talvez a refeição mais gostosa que ela teria no dia, ela tem tão pouco e me deu tanto… aprendi que preciso ser grata a Deus e usar meus recursos melhor para Deus e não para meu próprio umbigo.”

Todos emocionados continuaram a contar suas experiências, Manu sentia vontade de contar o que sentira aqueles dias ali, queria dizer que agora ela entendia tão melhor o amor de Deus através do exemplo do João e sua família, dizer que não somente ouviu falar mas presenciou a onipresença de Deus e achou incrível a maneira como Deus se revela tão grandioso em qualquer parte do universo, queria contar sobre as crianças que abraçou e pode compartilhar o evangelho, sobre como sentiria falta de ver a natureza revelando a glória de Deus tão de perto, mas sua timidez ainda a deixou calada, porém, antes de ir para a barraca compartilhou com Mario tudo aquilo que tinha vivido:

– Você tinha que ter contado Manu, tenho certeza que encorajaria outras pessoas – disse o garoto.

– Eu sei, mas ainda sinto tanta vergonha de não estar falando direito, de não usar as palavras certas.

– Não existe palavras certas quando se diz o que Deus é e fez já são suficientes.

– Eu sei… preciso melhorar nisso!

– Vou te ajudar… prometo!

– Brigada Mario!

– Imagina… preparada para o último dia amanhã?

– Nem um pouco… não queria ir embora!

– Eu também não… me vejo vivendo a vida inteira assim como o João e sua família sabia?

– Sério? Você pensa em ser missionário?

– Eu penso em estar onde Deus quiser, na cidade, no mato… sei lá! Tenho disposição em ir sabe?

Manu ficou pensando nessa possibilidade, será que ela aguentaria deixar tudo e viver assim? Porque passa um tempo breve até tudo bem, mas a vida inteira?

– Gosto dessa sua disposição, quero orar para que Deus me dê um coração assim.

– Ele pode dar sim…

– Meninas hora de dormir – gritou Renata as meninas que ainda estavam fora das barracas.

– Minha hora de partir – disse Manu.

– Ah… – disse Mario fazendo uma carinha triste.

– Até amanhã!

– Até amanhã! – disse o garoto dando-lhe uma piscadinha.

– Hey, tem alguém muito apaixonada nesse acampamento! – cochichou Re no ouvido da amiga quando ela passou pela sua barraca.

– Só um pouquinho… – respondeu Manu com um sorriso bobo – quero saber sobre o que você achou dessa aventura no campo missionário amiga, se viu no futuro?

– Nem te conto, tive várias conversas sérias com o Rafa e fiquei um pouco com medo de tudo que vi, apesar de já ter vivido em vários lugares diferentes, esse foi MUITO diferente… mas tenho orado!

– Eu entendo Re, hoje o Mario veio falar que se vê como João e sua família no futuro… e eu fiquei pensativa!

– É amiga… tenho medo! Medo de aceitar esse desafio e depois ser um empecilho para o Rafa e medo de não aceitar, perder o Rafa e em algum momento da minha vida descobrir que é isso que quero fazer para o resto da vida.

– Entendo perfeitamente, mas acho que esses medos só despertam mais ansiedade em nossos corações, porque o futuro é desconhecido a nós, então acho que não deveríamos ficar pensando tanto e sim orar, também deixar claro para os meninos como estão nossos corações em relação a tudo isso – aconselhou Manu.

– Verdade! Vamos fazer isso então?

– Vamos sim amiga! E como você orou por mim aquele dia, me deixa orar por você hoje?

– Mas é claro!

Naquela noite elas entregaram suas vidas a Cristo, pedindo que Deus lhes desce corações dispostos a viver o que Deus tivesse para suas vidas. Aquela viagem definitivamente marcariam suas vidas para sempre, não apenas das duas moças mas a de todos naquele grupo.

No dia seguinte todos estão emotivos no café da manhã, era uma segunda feira e as crianças foram lhe fazer uma homenagem, cantaram uma música e entregaram cartões para cada um da equipe, poucos conseguiram segurar o choro. Depois daquela despedida e de desarmarem acampamento a equipe seguia rumo ao aeroporto e levava consigo uma bagagem muito maior do que a que haviam trazido, não na mala, mas no coração.

Sentada em sua poltrona ao lado da janela no avião, com Mario ao seu lado e sobrevoando o Rio Amazonas, Manu pegou seu diário e escreveu sua oração:

“Eu não poderia imaginar a vida que o Senhor havia escrito para mim antes de te conhecer Deus, me perdi em meus planos, meus sonhos e nem imaginei que viver os seus mesmo que frustrando os meus era incrível! Amo ser sua filha, amo seu cuidado sobre mim, amo viver como uma nova criatura, perdoada de todo o meu passado! Permita-me viver a vida inteira assim… dependente de Ti e independente de mim, quero pertencer ao Senhor e viver a melhor história, a sua!”.

Fim de um novo começo.

 

SEI LÁ… TALVEZ EU NÃO ME ENCAIXE!

Quando eu comecei a postar vídeos no Youtube, não conhecia muita guria cristã que fazia isso… era algo novo para mim e até então era bom, compartilhava assuntos que achava legal sobre vida cristã e experiências pessoais. E o canal foi dando certo, talvez hoje em dia achem que seja um canal fracassado por eu não ter milhões de seguidoras, nem milhões de visualizações e nem conseguir fazer disso minha profissão. Acreditem, em algum momento desse ministério eu achei que poderia ir pra frente, mas pra isso teria que me dedicar mais, teria que fazer algo “a mais” para conquistar mais público, talvez postar vídeos que não fossem só sobre Cristo, bíblia e vida cristã, mas vídeos de outros assuntos, maquiagem, roupas, compras e etc. Mas isso de alguma forma não era o caminho que o Papo de Guria deveria tomar… não que seja errado, mas seria mais um… no meio de tantos, fazendo as mesmas coisas e com qualidade até inferior (porque tem tanta gente talentosa e que faz muito melhor que eu), mas de alguma forma acho que eu pensava que um canal cristão tinha que ser diferente…
Mas vocês sabem que essa diferença no mundo “gospel” não dá muito certo, porque infelizmente como o povo de Israel gostamos de ter nosso “bezerro de ouro”, queremos um “ídolo gospel” para sermos fãs, vivermos em função deles, acreditarmos em tudo que eles dizem e até defendermos quando forem criticados. Hoje em dia muitos ministérios são mais pelos seus “líderes” do que por levantar e glorificar o nome de Deus.
E sabe? É tão sutil essa ideia que posso ter caído nela em algum momento, graças a Deus quando o Di entrou na minha vida ele não era muito ligado nessa coisa de internet, isso foi me afetando, me desligando, fui vivendo mais a vida real e chega um ponto em que você se afasta tanto que você já não se encaixa como deveria.
Então sei lá… mas talvez eu não me encaixe nessa vida de blogueira e vlogueira, de ter vídeos todos os dias, de contar cada passo da minha vida, de contar qual tinta uso no cabelo ou quais modelos de roupas ou lojas eu visto, talvez eu não me encaixe em viver viajando, não me encaixe em cobrar para isso, não me encaixe em ter fã clube (que não acho muito legal…), talvez eu simplesmente não me encaixe!
Não vou dizer que não me acostumaria, nem que isso um dia poderia fazer meus olhos brilharem porque sou pecadora e nosso coração gosta de ser amaciado, mas conscientemente sei que não é isso!
Sabe, o Papo de Guria não acabou, mas como vocês já perceberam ele desacelerou em muito, mas é isso gente… a vida de verdade ela é vivida por trás desse teclado que estou digitando agora. Ela é feita das conversas ao redor da mesa, ela é feita no silêncio da noite quando você se senta para orar, ela é feita dos desafios e dificuldades que enfrentamos todos os dias, ela é feita das lágrimas que você derrama em seu travesseiro e que só Deus conhece o motivo, ela é feita das vitórias que você têm e que não precisa compartilhar com o mundo inteiro, ela é real. Que possamos fazer morrer nosso nome e fazer com que o de Cristo permaneça em tudo que fizermos, em nossa vida real e virtual!

Série Manu – Capítulo 16 (Penúltimo)

Bom diiiiiiiiia gurias!
Tá saindo mais um capítulo da Série Manu depois de tanta espera…

Se você tá chegando por aqui agora deixa eu te atualizar, há um tempinho atrás comecei a escrever livros especialmente para adolescentes pela boa influência que a Leitura da “Série Cris” teve em minha vida!

Se você ainda não leu os outros clica aqui -> primeiro, segundo,terceiro,quarto,quintosextosétimooitavononodécimodécimo primeirodécimo segundo, décimo terceirodécimo quarto e décimo quinto.

Tomara que curtam muiiiito e deixem seus comentários para eu saber o que estão achando!

Bjoooo minhas lindas!
Brigada por tudo!
Deus abençoe!

Ju.

________________________________________________________________________________________

Capítulo 16

Durante todo aquele dia de trabalho em equipe Manu e Mario ainda não haviam conversado e a menina estava tentando ficar um pouco longe do garoto já que sentia um pouco de ciúmes das garotas que estavam com ele no grupo. Na hora do jantar sentou com Re e Rafa e sentiu o menino olhando-a durante todo o período que ficaram ali comendo ao redor da fogueira.

– Manu, oi! – disse o garoto quando todos estavam indo para as barracas.

– Oii! – respondeu a garota com um sorriso de canto.

– Mario… – gritaram Tifany e Suzana, as meninas da barraca de Manu que passaram o dia no grupo de Mario – lembre-se que amanhã você nos prometeu ensinar mais um pouco de basquete.

– Claro! Pode deixar meninas, boa noite! – disse o rapaz.

– Boa noite Mario, foi muito bom passar o dia inteirinho com você! – disse Suzana enquanto Mario corava de vergonha e Manu tentava segurar o riso.

– Brigada meninas… tchau tchau! – respondeu.

– Uau, parece que ganhou novas fãs – disse Manu quando as meninas já haviam se afastado o suficiente para não a ouvirem.

– Novas? Não sabia nem que tinha antigas fãs… tenho? – perguntou o garoto com um olhar que parecia indagar algo a mais para Manu.

– Quem sabe… vejo uma certa empolgação das adolescentes mais novas quando estão perto de você – respondeu a menina rapidamente.

– Ah sei… – disse Mario com aquele sorriso que evidenciava suas covinhas.

“Acho que não me sai muito bem nessa resposta” – pensou.

– Acho que vou dormir, estou um pouco cansada porque enquanto umas aprendiam a jogar basquete outras estavam fazendo o trabalho duro sabe? – brincou.

– Ah sim! – disse dando uma gargalhada – tá vendo como você é boa em alguma coisa?

– Bobo!

– Senti sua falta hoje, não ouvi muito sua voz! – disse o garoto enquanto caminhava até a área limite da barraca das meninas.

– Ah aposto que as meninas deixaram vozes suficientes na sua cabeça.

– Não igual a sua!

A menina olhou nos olhos de Mario e não conseguia entender se ele estava mesmo querendo dizer o que ela achava.

– Não entendi! – disse a menina.

– Amanhã você aceita tomar café da manhã comigo um pouco mais cedo que todo mundo lá em frente ao rio? E aí te explico exatamente o que quero dizer.

– Sério?

– Sim!

– Será que podemos ir lá sozinhos?

– Já conversei com o Rafa e ele autorizou – disse Mario.

– Está bem! – disse Manu não conseguindo esconder o sorriso.

– Passo aqui as 6:00h pode ser?

– Claro, só prometa não se assustar com a minha cara horrível de sono.

– Impossível isso acontecer! – disse sorrindo e lhe entregando uma flor que havia pegado pelo caminho.

– Obrigada, pela flor e pelo convite! – disse Manu fitando-o nos olhos – boa noite!

– Boa Noite! – disse o rapaz dando um beijo na mão da garota.

Manu foi correndo até a barraca de Renata e contou tudo o que tinha acontecido.

– Amiga, espera aí! Acho que ele vai se declarar! – disse Renata.

– Também estou achando… – disse Manu em estado de choque e com a maior cara de boba – como assim? Será que isso pode realmente acontecer? Ele gostar de mim?

– Claro que pode! Você é a menina mais linda que eu conheço e amo como minha irmã de sangue.

– Oun amiga, vem aqui!

Deram um longo abraço e Renata orou pela conversa que Manu e Mario teriam pela manhã, também pediu que Deus desse paz a seus corações para dormirem uma boa noite de descanso.

Na manhã seguinte, Manu acordou mais cedo para conseguir se arrumar, colocou uma saia longa colorida que havia trazido para usar no culto, passou um pouco de pó e rímel só para disfarçar o rosto inchado de quem acabara de acordar.

Quando Mario chegou a menina estava esperando-o no banquinho da varanda da casa do missionário.

– Bom dia! – disse o garoto segurando uma sacola de plástico com algumas coisas dentro para o café da manhã – tive que improvisar uma cesta! – brincou.

– Bom dia! Achei muito melhor que a original! – respondeu.

– Vamos?

– Sim!

Os dois caminharam poucos metros até o rio, Mario estendeu um lençol sobre a grama e tirou uma garrafa térmica de chocolate quente, pães salgados, uma margarina e uma bolacha recheada.

– Uau, você fez tudo isso?

– Quase, a bolacha eu trouxe do mercado lá perto de casa – disse com uma gargalhada – mas o dinheiro foi o meu, o chocolate, fervi o leite na fogueira lá perto do nosso acampamento e o pão peguei emprestado na cozinha.

– Você é muito talentoso viu – brincou Manu – comprar uma bolacha recheada são para poucos, afinal escolher o sabor, contar o dinheiro e pagar no caixa exige uma habilidade especial.

– Ah é, engraçadinha! Estou vendo que esse chocolate quente, feito artesanalmente, com semente pura do cacau vai ficar só para mim!

– Nada disso! Sou sua degustadora oficial aqui! – disse, e os dois caíram na gargalhada.

Depois de Mario orar, serviu uma xícara de chocolate para cada um e passou a margarina em dois pães para que a menina se servisse.

– Acho que nunca tomei café da manhã enquanto o sol ainda não tivesse nascido.

– Ah, mas aposto que vai valer a pena, porque daqui a quinze minutos você verá o nascer do sol mais lindo da sua vida.

– É mesmo?

– Sim, o missionário me disse que as 06h15min o sol começa a nascer daquele lado do rio e que é de paralisar.

Os raios do sol começavam a despertar com uma suave claridade sobre o rio e uma vermelhidão em grande parte do céu, Mario parecia esperar por aquele momento por toda a sua vida de tão empolgado que parecia estar.

– O céu vermelho desse jeito eu nunca vi! – disse o garoto.

– Nem eu…

De repente o garoto fitou os olhos em Manu e a observou imitando uma câmera fotográfica com as mãos e tirando uma foto imaginária.

– O que é isso?

– Estou guardando na memória! – disse a menina.

– Como você consegue? – perguntou.

– O quê?

– Ser tão linda? – disse Mario

Manu sentiu seu rosto corar, e parecia que agora não era apenas o céu que estava vermelho, ela olhou nos olhos de Mario e ficou tentando decifrar aquele momento.

– Você acha? – perguntou.

– Tenho certeza!

– Desde quando?

– Desde quando você veio me vender o “brownie da casa” – disse Mario com seu sorriso de covinhas.

– Por quê eu?

– Porque você é você e eu estou apaixonado por isso!

– Você… está o que? – perguntou a menina gaguejando e desejando não ter ouvido errado.

– Apaixonado! Me pego pensando e orando por você desde o primeiro dia em que te vi, seu sorriso me deixa bobo e quando você me olha… – então Mario olhou para o sol e voltou-se para ela – sinto exatamente o que sinto ao olhar esse sol, a pessoa mais especial desse mundo.

– Você está falando sério? – perguntou a garota com um sorriso bobo e parecendo ainda não acreditar.

– Muito sério, eu já queria te dizer isso há um tempo, mas parecia nunca ser o momento certo, então ontem quando você pareceu me evitar o dia inteiro, fiquei pensando que você precisava saber como eu me sentia a seu respeito.

– Não estava te evitando… – disse a garota – ou talvez estivesse.

– Por quê?

– Porque sinto o mesmo por você, mas não sabia o que você pensava disso tudo então decidi me guardar um pouco para não errar.

– Eu entendo… Então quer dizer que você sente o mesmo por mim? Foi isso mesmo que ouvi? – perguntou o rapaz dando um sorriso de canto de boca.

– É isso mesmo! – afirmou.

– Ufa – disse Mario respirando fundo e olhando para o céu – obrigado Deus!

– Parece aliviado!

– Você nem imagina o quanto! Quase não consegui dormir direito.

– Eu também não! Não se fala para uma garota que quer dizer algo importante se não for dizer naquele momento – brincou.

– É, eu fiquei imaginando se você estaria ansiosa – disse Mario.

– Estava! E ainda tive que ouvir seu nome até a hora de dormir, porque pelo visto as fãs da minha barraca ficaram encantadas por você.

– Ah, mas daquela barraca só uma me interessava estar encantada por mim!

– E acredito que ela está viu? – brincou.

– Sou um cara de sorte!

Continuaram ali por mais alguns minutos até que o sol estivesse feito todo o seu show, conversaram sobre se conhecerem um pouco mais, orarem sobre aquele sentimento e aguardarem o tempo certo de tomarem uma decisão sobre o próximo passo. Manu lhe disse que gostaria de esperar um pouco mais até ser um pouco mais madura espiritualmente e até ter um pouco mais de idade para começar um relacionamento, Mario concordou e lhe disse que estaria ali e que seu objetivo era se tornar seu melhor amigo durante esse período.

SOBRE ESCOLHER QUALQUER UM…

Enquanto eu esperava pelo homem com quem me casaria, talvez tive que ouvir que estava escolhendo demais e pode ter até tido gente que pensou que ficaria para titia.
Mas pera aí, quem é que vai ter que conviver com minha escolha até a morte? Eu! Então me deixem Rsrs e me deixaram até que no momento que tinha que ser esse homem lindo, de bom humor e olhos verdes apareceu para mim e agarrei as mãos nele viu meninas? Rsrs Também não é para esperar o céu abrir e apontar que é ele.
É ele porque ele tem caráter cristão, é ele porque ele me respeita, é ele porque temos planos de servir a Deus juntos, é ele e sou eu porque escolhemos debaixo daquilo que o Senhor pré-determinou, seu padrão bíblico, nossa liderança, e é claro aquele sentimento bom de estar ao lado de quem se ama (viu que sentimento não veio em primeiro lugar né? Porque quem vive pelo que o coração manda é burro!).
Mas vamos voltar ao assunto, pode tá chegando os 25, 26, 29 ou 30 e você já está pensando na possibilidade de dar bola para aquele cara do seu trabalho ou faculdade que está te chamando para sair, “ah Deus eu esperei, o Senhor viu mas cansei” você pensa, como uma forma de desculpa para a sua própria mente. E você ainda tem esperanças de que no final ele se converta e se torne um homem de Deus e blá blá blá ( tipo aquelas pessoas que usam a exceção como regra e dão com a cara no vidro).
Você começa a compará-lo com rapazes da igreja e não acha tão ruim assim, na verdade tem áreas que ele até supera viu!
Então vai lá… Case! Acorde todos os dias ao lado de um cara que não ama a Deus, que não conhece a verdadeira fonte do amor. Case! E vá dormir ao lado de alguém que durante o dia não teve nenhum encontro com o Senhor. Case! E veja como é viver com alguém que não entende o verdadeiro perdão porque Ele não foi perdoado por Cristo. Case! E experimente como é ver todos os seus esforços indo pelo ralo abaixo quando você tenta educar seus filhos para serem homens de Deus mas o pai deles só quer ter certeza de que eles serão homens, não importa se deve levá-los a lugares indevidos, deixá-los ver coisas proibidas e andarem com amigos duvidosos. Case! Com alguém que por não entender o compromisso que ele primeiramente tem com Deus pode desonrar você, machuca-la tão profundamente que será difícil, mas não impossível, sarar…

NÃO CASE com qualquer um… É uma das decisões mais importantes da sua vida, não permite que ela seja feita por seu coração enganoso e nem porque você está em uma fase da vida cansada demais para esperar… NÃO CASE, melhor ser solteira e feliz com Cristo, do que casada com alguém que não amará você como Cristo amou a igreja e se entregou por ela… Larga de ser carente e supra suas necessidades em Deus, Ele é o único capaz de preencher seus vazios, coisa que nem o melhor homem do mundo pode fazer!